A onisciência é um dos atributos divinos mais importantes. Deus é onisciente, ou seja, Ele sabe tudo o que aconteceu, está acontecendo e acontecerá. Essa onisciência é absoluta e não está sujeita a qualquer limite. Deus sabe tudo o que há para saber sobre o universo, incluindo os pensamentos, sentimentos e ações de todos os seres humanos.

A onisciência de Deus tem implicações importantes para o nosso entendimento do mundo. Ela significa que Deus está ciente de todos os eventos, sejam eles grandes ou pequenos. Isso inclui eventos naturais, como terremotos e tsunamis, bem como eventos humanos, como guerras e crimes.

A onisciência de Deus também significa que Ele sabe o que vai acontecer no futuro. Isso pode parecer assustador para algumas pessoas, mas também pode ser uma fonte de conforto. Se Deus sabe o que vai acontecer, então podemos ter certeza de que Ele está no controle.

A questão de saber se Deus tem controle sobre todos os eventos é complexa e tem sido objeto de debate teológico e filosófico por séculos. Alguns teólogos acreditam que Deus tem controle absoluto sobre tudo o que acontece, enquanto outros acreditam que Ele tem apenas um controle limitado. 

Aqueles que acreditam em um controle absoluto de Deus argumentam que a onisciência de Deus implica necessariamente que Ele tem controle sobre tudo o que acontece. Se Deus sabe o que vai acontecer, então Ele deve ser capaz de fazer com que isso aconteça.

Aqueles que acreditam em um controle limitado de Deus argumentam que a onisciência de Deus não implica necessariamente que Ele tenha controle sobre tudo o que acontece. Eles afirmam que Deus pode saber o que vai acontecer, mas que Ele pode escolher não intervir.

A declaração de Jesus Cristo de que “nenhum fio de cabelo cai da nossa cabeça sem que Deus o permita” (Lucas 12:7) é frequentemente interpretada como um apoio à visão de um controle absoluto de Deus. Essa interpretação sugere que Deus está ciente e controla mesmo os eventos mais triviais, tais como a queda fatal de um colibri chocando-se com a porta de vidro espelhada na entrada da PIB Guará, à qual testemunhei em uma ensolarada manhã dominical. 

No entanto, essa interpretação também pode ser assimilada de forma mais limitada. Jesus pode estar simplesmente enfatizando a providência de Deus, ou seja, o fato de que Deus está sempre cuidando de nós.

Em última análise, a questão de saber se Deus tem controle sobre todos os eventos é uma questão de fé. Não há uma resposta definitiva que possa ser demonstrada racionalmente.

Considerações adicionais

A questão da onisciência de Deus também levanta algumas questões filosóficas interessantes. Por exemplo, se Deus sabe tudo o que vai acontecer, então como é possível que as pessoas tenham livre arbítrio? Se Deus sabe que eu vou escolher comer um sanduíche no almoço, então eu realmente tenho escolha?

Essa é uma questão complexa que não tem uma resposta fácil. Alguns filósofos acreditam que a onisciência de Deus não é incompatível com o livre arbítrio. Eles argumentam que Deus pode saber o que vai acontecer sem que isso predetermine nossas ações. Afinal, por que Deus chamaria muitos se apenas poucos seriam os escolhidos? (Mt 22:14) Só pode ser porque ele deseja que todos sejam salvos (1 Tm 2:4).

Outros filósofos acreditam que a onisciência de Deus e o livre arbítrio são incompatíveis. Eles argumentam que se Deus sabe o que vai acontecer, então nossas ações já estão determinadas e, portanto, não temos livre arbítrio. Essa é uma questão que continua a ser debatida por teólogos e filósofos. Não há uma resposta definitiva, e cada pessoa deve decidir por si mesma o que acredita.

Considerações científicas sobre singularidade e complexidade relacionadas ao ajuste fino do macrocosmo e do potencial das sementes de mostarda

O ajuste fino do macrocosmo é um conceito que afirma que as constantes físicas fundamentais do universo estão ajustadas com uma precisão incrível para permitir a existência da vida. Por exemplo, se a constante de gravitação fosse ligeiramente diferente, as estrelas não poderiam formar-se e o universo seria um lugar muito diferente.

O potencial das sementes de mostarda é um conceito que afirma que mesmo as coisas mais pequenas podem conter um grande potencial. Jesus Cristo usou essa analogia para ilustrar a fé (Mateus 17:20).

A ciência moderna fornece evidências para apoiar ambos os conceitos. Por exemplo, a teoria do Big Bang afirma que o universo surgiu de um estado singular extremamente quente e denso. Isso significa que o universo começou com um estado de grande complexidade e singularidade.

A complexidade do universo também é evidente na diversidade da vida. Existem milhões de espécies diferentes de plantas, animais e outros organismos. Cada espécie seria um produto de bilhões de anos de evolução, o que é um processo extremamente complexo e ainda não completamente elaborado. No entanto, um post anterior relacionado a esse tema apresenta um contraponto relevante a essa teoria.

O potencial das sementes também é evidente na natureza. Por exemplo, uma pequena semente de mostarda pode crescer em uma grande planta que floresce, frutifica e se multiplica. Isso é um exemplo de como algo pequeno pode conter um grande potencial.

A ciência moderna ainda não pode explicar completamente o ajuste fino do macrocosmo ou o potencial das sementes. No entanto, esses conceitos sugerem que o universo é um lugar muito mais complexo e significativo do que podemos imaginar.

Algumas considerações específicas sobre singularidade e complexidade relacionadas ao ajuste fino do macrocosmo e do potencial das sementes:

  • Singularidade: O estado inicial do universo, conhecido como Big Bang, seria um estado de singularidade. Isso significa que o universo teria um tamanho e uma densidade infinitos. A singularidade é um conceito difícil de entender, pois desafia nossa compreensão de espaço e tempo. No entanto, é um conceito importante para a cosmologia moderna.
  • Complexidade: O universo é um lugar extremamente complexo. Isso é evidente na diversidade da vida, na estrutura das galáxias e na natureza da própria física. A complexidade do universo sugere que há um grande grau de ordem e planejamento por trás dele.
  • Potencial: Mesmo as coisas mais pequenas podem conter um grande potencial. Isso é evidente na natureza, onde uma pequena semente de mostarda pode crescer em uma grande planta. O potencial das coisas pequenas sugere que há um grande poder e propósito no universo.

Considerações teológicas:

As considerações científicas sobre singularidade e complexidade podem ser interpretadas de uma perspectiva teológica. Por exemplo, o ajuste fino do macrocosmo pode ser visto como evidência da criação inteligente de Deus. O potencial das sementes pode ser visto como um exemplo da graça de Deus, que pode ser encontrada mesmo nas menores coisas e aparentemente insignificantes. Deus em Cristo escolheu homens improváveis para tornarem-se seus discípulos e, posteriormente, os Apóstolos e mártires responsáveis por propagarem o seu testemunho até os confins da terra.

Conclusão:

As considerações científicas sobre singularidade e complexidade fornecem novas perspectivas sobre o ajuste fino do macrocosmo e do potencial das sementes. Essas considerações sugerem que o universo é um lugar muito mais complexo e significativo do que podemos imaginar.

Referências:

Livros

  • Sampaio, Marcos Antonio P. A Onisciência de Deus e a Sua Inocência. São Paulo: Editora Hagnos, 2010.
  • Plantinga, Alvin. O Problema do Mal. São Paulo: Editora Vida Nova, 2007.
  • Berkhof, Louis. Teologia Sistemática. 4. ed. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2010.
  • Calvino, João. O Deus que Intervém. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2010.

Artigos

  • Frame, John M. “Onisciência e Liberdade”. In: Apologética Cristã. Ed. John M. Frame. São Paulo: Editora Vida Nova, 2010. p. 219-242.
  • Craig, William Lane. “O Problema do Mal”. In: Apologética Cristã. Ed. John M. Frame. São Paulo: Editora Vida Nova, 2010. p. 243-262.
  • Sproul, R.C. “A Soberania de Deus”. In: Apologética Cristã. Ed. John M. Frame. São Paulo: Editora Vida Nova, 2010. p. 263-278.
  • Torrance, Thomas F. “A Trindade”. In: Apologética Cristã. Ed. John M. Frame. São Paulo: Editora Vida Nova, 2010. p. 279-294.

Bíblia Sagrada

  • Salmo 139:1-6
  • Mateus 10:30
  • Romanos 8:28
  • Tiago 1:13-15

Notas

  • A interpretação da declaração de Jesus Cristo de que nenhum fio de cabelo cai da nossa cabeça sem que Deus o permita é um assunto controverso. Não há uma interpretação única que seja aceita por todos os cristãos.
  • A questão da onisciência de Deus e do controle sobre os eventos é um mistério que não podemos entender completamente. No entanto, podemos confiar na sabedoria e no amor de Deus, mesmo quando não entendemos.

 Por: Adauto C. Santos, teólogo, professor de EBD e redator e colaborador do blog da FTBB 

Enviar Dúvidas ou Comentários